5 de julho de 2008

Personagem: Rocco (Roque) de Marco


A foto acima foi retirada diretamente de livro, de minha bibiloteca particular, publicado em 1920, em homenagem a Dom João Nery (após sua morte) e apontava Roque de Marco como amigo próximo do bispo campineiro e já tendo falecido (o mesmo faleceu em 1919 - como mostra em sua pedra tumular e em foto ao fim destes escritos).

O casarão constitui-se em uma propriedade particular construída no século XIX pelo italiano Rocco (Roque) de Marco, um comerciante ligado à exportação do café.

O imenso casarão de dois pavimentos partilha com a Estação Cultura, hoje, o mesmo largo triangular, na esquina com a rua 13 de maio e em uma das extremidades do seu trajeto. Como a grande maioria das residências de comerciantes do século XIX, partilhava duas funções: desenvolver os negócios no térreo (no caso de Roque de Marco, uma Casa de Câmbio), abrigando a família no andar superior. A fachada, muito adornada, possuí dez porta-janelas em cada pavimento, algumas emolduradas por balcões.

O italiano Roque de Marco estabeleceu-se naquele ponto e, a partir de então, as gerações posteriores continuaram a ocupar o andar superior. Sua filha Francisca, mesmo após casada, seguiu morando no local com o marido, Mário Gatti, e os filhos.


Acima o casarão quando era "casa de câmbio" no início dos anos 1900. Abaixo, hoje do personagem restou apenas o nome no topo do casarão.


Abaixo seu fabuloso túmulo, no Cemitério da Saudade, onde abriga seus familiares, incluindo seu genro, Mário Gatti, distinto médico do passado campineiro.



2 comentários:

Giogreg disse...

Olá, sou da filiação do Roque de Marco, agradeço profundamente por este memorial.

Helio disse...

Tirei uma foto do imóvel de roqe de marco em 01/01/2010. Fiquem à vontade para utilizá-la neste espaço.
http://www.flickr.com/photos/heliopavan/4235649368/
abs,
Helio Pavan