3 de maio de 2007

Curiosidades: Asylo de Mendigos - 1904 / Asylo de Inválidos - 1905 / Lar dos Velhinhos de Campinas - 1972


Além de pesquisa em livros e inspirado na coluna de Célia Siqueira Farjallat, grande professora aposentada e também cronista do cotidiano e da história de Campinas, no jornal Correio Popular de 25 de julho de 1997.

Graças ao jornalista Antônio Sarmento a idéia da fundação de uma casa para os mendigos de Campinas; ele defendeu esta idéia nas colunas do antigo Diário de Campinas, em 22 de janeiro e 8 defeveiro de 1899, segundo registro do professor doutor Carlos Francisco de Paula, na Monografia Histórica de Campinas de 1952.

Cinco anos mais tarde, a idéia foi defendida pelo dr. Paulo Machado Florence, então delegado de Polícia, em reunião realizada em 25 de julho de 1904 e assim fundou-se o Asylo de Mendigos, voltado, como o próprio nome diz, para assistência à mendicidade. Por causa do grande número de pessoas com problemas físicos e mentais que buscavam abrigo no asilo, em 1905 seu nome foi mudado para Asylo de Inválidos.

Em seus primeiros tempos, estivem à frente da instituição: Orosimbo Maia (Presidente), dr. Alberto Sarmento (Vice-presidente), Joaquim Villac (1º secretário), Tito Martins Ferreira (2º Secretário), Antônio Egídio Nogueira (Tesoureiro), Joaquim Augusto de Faria Cardoso (Procurador) e Vitalino Ferraz (Mordomo).

Uma das primeiras providências foi comprar a Chácara República do Coronel Bento Bicudo. No casarão senhorial da fazenda instalou-se a humanitária instituição, que acolheu 15 indigentes de início, número que chegou a 200 em pouco tempo. E os anos foram correndo, o Asilo crescendo, recebendo mendigos e criaturas marcadas pela idade e pela total pobreza.

Houve também na administração do antigo Asilo de Inválidos um homem de extraordinária presença: Luiz Antônio Assumpção Leite, convidado para o cargo por Orosimbo Maia. Homem extremanete responsável e caridoso, tratou de transformar o terreno do Asilo em um grande pomar e horta, cujos produtos reforçavam a alimentação dos asilados.

Sensíbilidade, dedicação e bons princípios grangearam-lhe o apoio e a simpatia dos asilados e dos beneméritos. Assumpção Leite e sua família residiam em dependências da Obra, e sendo musicistas como o pai alegravam as horas de lazer com boa música; Dalila, Joaquina e Débora colaboraram para a alegria e bem estar dos asilados, e todos pareciam formar uma só e feliz família.

A Câmara Municipal de Campinas pela lei 1840, de 29 de novembro de 1957, deu o nome do bom administrador (Luiz Antônio Assumpção Leite), que faleceu em 1944, à rua que circunda o local.

Em 1972 se transformaria em Lar dos Velhinhos de Campinas e que permanece até os dias atuais. Os mais antigos ainda o chamam de “asilo” apesar deste conceito ter sido mudado na época em que passou a ter o nome atual.

Nesta imagem área, de 2007, pode-se ver toda a extensão do Lar dos Velhinhos de Campinas.

2 comentários:

Carlos Roberto Olivi disse...

João Marcos,

Como posso saber, apesar do Google Earth, onde se localizam esses prédios?

Obrigado

J.M.Fantinatti disse...

Carlos,
A rua ao lado esquerdo dos prédios é a rua Luiz Antônio de Assunção Leite (citada no blog). E a rua a direita do prédio, que adentra nos mesmos é a rua irmã Maria de Santa Paula Terner. Fica perto do Shopping UNIMART, você chega ali na 1a rua, indo pelo Jardim Aurélia....JMFantinatti..